Segurança e insegurança na América Latina e no Caribe

Universidade de Ottawa, 20-22 mai

No início do século vinte e um, a persistência da pobreza e da desigualdade endêmicas continua sendo um dos maiores desafios enfrentados pela América Latina e do Caribe. A pobreza e a desigualdade continuam a moldar novas formas de insegurança socioeconômica e ambiental na região. Se a idéia de insegurança implica necessariamente no seu inverso, segurança, então as Américas estão moldadas pela tensão - criativa e perturbadora - entre esses dois pólos aparentemente opostos. Em vez de construir a segurança e a insegurança como binárias, ao se considerar as múltiplas dimensões da segurança humana, social e ecológica, é possível ver a coexistência da segurança com a insegurança e sua natureza interconectada. Por outro lado, alguns estudiosos afirmavam que um tipo de segurança leva ao aumento da segurança em outras áreas da sociedade. Por exemplo, que a segurança das instituições democráticas leva à segurança econômica e vice-versa. No entanto, isso provou uma falácia. Por outro lado, análises recentes demonstraram como a segurança em uma região pode induzir efeitos negativos sobre a segurança em outras regiões. Como a militarização da sociedade afeta a segurança humana. Como a segurança ou controle militar de fronteiras está ligada a geografias e territórios - onde estão localizados os recursos naturais - afetando os meios de subsistência dos povos indígenas e afrodescendentes? Como a busca pela segurança energética afeta a segurança alimentar? Como as “cidades inteligentes” projetadas para aprimorar a segurança pessoal afetam a segurança das informações pessoais? Como os programas de renda básica que fornecem segurança econômica afetam a qualidade do engajamento político? Como a proteção dos princípios da liberdade de expressão afeta a segurança de grupos e indivíduos marginalizados? Como a dinâmica cultural responde a essas tensões? Por exemplo, de que forma os narcocorridos ou o reggaeton tentam lidar com esses desafios?

De maneira geral, a busca pela segurança é um jogo de soma zero? Ou essas tensões podem ser generativas e produtivas? Tais questões e outras serão centrais para a discussão do Congresso Anual CALACS 2020, que destaca as tensões entre segurança e insegurança na produção literária e artística, representação política, migração, educação, movimentos sociais, políticas econômicas. A conferência explora como a segurança e a insegurança são construídas de maneiras culturalmente específicas nas Américas.